sexta-feira, 22 de setembro de 2017

CRENTES QUE ABANDONAM AS SUAS CONGREGAÇÕES!

'Não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia "(Hb 10:25).
Abandonar: "Deixar, largar, abrir mão, renunciar a, desprezar, desistir de, deixado de lado".  Ao longo da historia da igreja cristã esse fenônemo sempre esteve presente. Com mais intensidade nos últimos tempos. O livro "Espiritualidade emocionalmente Saudável", Peter Scazzero, associa esse fenômeno com a inabilidade das pessoas tratarem seus próprios dramas emocionais. Buscam na igreja respostas, não as encontrando acabam abandonando suas congregações. Seguindo a linha de compreensão muito bem fundamentada pelo autor, destacaremos três principais causas de crentes que abandonam suas congregações:

domingo, 17 de setembro de 2017

O TEMPO É AGORA! VOLTE A CHAMA DO PRIMEIRO AMOR!

“... Tenho  porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei a tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres” (  Apc. 2:2,5 )
Preparamos  uma palavra que merece uma pausa para uma sincera reflexão. É inadiável. O Tempo é Agora! Volte a Chama do  Primeiro Amor. O amor que deve existir  entre você  e Jesus Cristo deve ser tão apaixonante como de um marido para com sua esposa no momento que  se casam. Um amor que se não nutrido vai perdendo o seu encanto,  vai se esfriando podendo chegar a separação. Assim é relação do crente com o Senhor Jesus Cristo. Cada dia deve ser cultivado para não dar lugar a frieza e abandono da fé.
Destacaremos alguns sintomas importantes que sinalizam quando o crente está perdendo  a chama do primeiro amor:

sábado, 9 de setembro de 2017

FÉ - DÊ UM MERGULHO NA PROFUNDIDADE DE SUA FÉ!

“... e me fez passar pelas águas....”  ( Ezequiel 47:b)
A visão de Ezequiel, narrada no cap. 47, é um convite a mergulhar nas profundezas do rio da fé. Desafia-nos   a uma  profunda reflexão sobre o nível  em que estamos comprometidos com o testemunho cristão. A pergunta é pessoal:  Em que  nível de profundidade está o  comprometimento de minha vida pela causa do evangelho? O tema é um convite para você passar pelo teste das águas"“... e me fez passar pelas águas.....”.  Não é opcional, é necessário e urgente.

Faça você mesmo o seu próprio teste das águas -  dê um mergulho na profundidade de sua fé:

1º  Teste:  Uma fé que não vai além da experiência da conversão.   
   “... Águas até os tornozelos” (v.3,c)
"Água até os tornozelos" é uma profundidade ideal para uma criança tomar o seu banho tranquilo, sem correr nenhum risco. Na prática equivale a um recém nascido na fé cristã. Uma profundidade  que se contenta com o batismo e a salvação.  Não se interessa em aprofundar-se no estudo da Bíblia, na Oração e no Serviço Cristão. Contenta só de leite como as criancinhas. Torna-se crente imaturo, dependente, que está sempre precisando  da ajuda espiritual de outras pessoas por situações até insignificantes. Todos iniciamos neste nível de fé, precisamos   experimentar águas mais  profundas. 

2º Teste: Uma fé que anda na dependência de Deus
“ Águas até os joelhos” ( v.4)
"Águas até os joelhos" uma profundidade que inicia uma caminhada de dependência de Deus. O crente nesta medida de fé, aprende a dobrar os seus joelhos frequentemente diante de Deus. Leva uma vida razoável na dependência do Espírito Santo. Procura ser  assíduo aos cultos e atividades da igreja. Busca firmar os seus pés, para andar nos  caminhos de Jesus. Humilha-se diante da potente mão de Deus. Tem uma  fé  sincera,  contribue  financeiramente com os ministérios, promove comunhão entre os irmãos  e com  o crescimento do Corpo de Cristo. Está contente com o que é não busca maiores experiências com o Espírito Santo.

3º Teste: Uma fé capaz  de ser colunas no  corpo de Cristo        
  “Águas até ao lombos” (v.4)
" Águas até os lombos"  a região  lombar que dá sustentação a todo o corpo. Neste estágio de profundidade cristã,  o crente aprendeu a ter uma vida de oração, exercer uma fé prática de boas obras, carregar e suportar as responsabilidades do Corpo de Cristo. Envolve-se, fielmente, e com alegria, as funções  que lhes delega. Coluna que dá sustentação a doutrina da Igreja.  Fervoroso, encorajador, faz tudo por amor a Cristo.

4º Teste:  Uma fé que produz permanentemente   o fruto do Espírito.
                                               “Águas para nadar” (v.5)
"Água para nadar" é o relacionamento mais profundo com o  Espirito Santo. Flutua sobre  as águas do Espírito como Pedro andou sobre as águas. Desenvolve uma comunhão íntima com Deus. Medita e examina as Escrituras com humildade e sinceridade. Moderado, pacífico e  humilde de espírito. Depende e confia inteiramente na Graça de Cristo.  Mergulha em águas profundas, nadando rumo à  praia celestial.  Não é atraído pela glória da política, da fama, da ciência, nem pelas riquezas deste mundo. É um investidor das riquezas  celestiais. 

5º Teste: Uma fé que produz muitos frutos para para o Reino.
“Águas e muitas árvores...”  ( v. 7,12)
"Águas e muitas árvores", tal crente comparado a uma  árvore plantada às margens do rio, produz frutos abundantes. Sua vida é marcada por ser um agente de bênção.  Vive um bom exemplo de vida em todas circunstâncias e lugares. Deixa um legado exemplar a ser seguido. Pessoas nesse nível de profundidade de fé cristã são como raios solares, que trazem vida á igreja. “ Tudo quando fizer prosperará” ( Sal. 1º. 3b)

6º Teste: Uma fé que atrai muitas vidas pelo testemunho irrepreensível.
“... Águas boas, muitos peixes” ( v. 9,10)
"Água boa, muitos peixes" é o ápice da fé cristã. É o crente comprometido com o Senhor Jesus; vive um testemunho impactante e irrepreensível. Com seu  testemunho e amor a Cristo, atrai muitas almas para os Céus.  Diz, sim, ao chamado do Senhor Jesus Cristo:  “ e eu vos farei pescadores de homens”. As águas do espírito que correm, através das vidas destes crentes, criam um ambiente salutar na igreja. São amáveis, cuidam e zelam do testemunho para não escandalizar os pequenos irmãos. Não querem dominar, mas obedecer. Entristecem-se pela vaidade e orgulho mundanos. Caminham de força em força. Não correm atrás das  “novidades” são perseverantes. Frutificam muitos frutos para Deus.

Aplicação: 
Como você se saiu neste teste das águas? Ninguém melhor que você para fazer uma auto-crítica de você mesmo. Se você não fizer outro fará por você. Entenda ser uma oportunidade ímpar para você rever o seu  nível de profundidade da sua  fé, de seu crescimento espiritual  e do seu  comprometimento com a Obra do Senhor. Receba como  uma palavra de encorajamento para você não se contentar com o nível de profundidade de sua fé. O Espírito Santo é seu " personal traine" que fará de você  um nadador em águas profundas do Espírito.  
Por amor a Cristo!

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

OS GAFANHOTOS DEVORADORES DA ERA CRISTÃ

" O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o gafanhoto migrador, o que deixou o migrador, comeu o devorador; o que deixou o devorador, comeu o destruidor" ( Joel 1:1) 
As pragas e maldições são atos de justiça de Deus. Atributo exclusivo da soberania de Deus. Gêneses, cap.3, onde tudo começou: " maldita é a terra por tua causa" (v.18.b). A partir da queda, o homem passou a ser a principal causa geradora das tragédias ecológicas, das pragas e das maldições. O diluvio foi uma das mais aterradoras tragédias da humanidade. Gerada pelo próprio homem. As maldições do profeta Joel e de Malaquias, foram ações pontuais de Deus disciplinando o povo Hebreu pelas práticas idólatras e o abandono aos mandamentos do Senhor. Os gafanhotos devoradores da era cristã evoluíram, migrando para outros níveis de ataques e destruição; tendo Satanás o seu principal arquiteto, para matar, roubar e destruir toda obra da criação de Deus. 
Quais sãos esses gafanhotos devoradores da era cristã? - Vamos destacar os mais devoradores:

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

DISCIPULADO 3 EM 1 - EU, MINHA FAMÍLIA, MINHA IGREJA!

Convidado a pregar numa igreja sobre discipulado, o que compartilhamos não é algo inovador mais propõe um olhar para o discipulado numa perspectiva, 3 em 1. Entendimento que partiu do princípio que somos um ser  de três partes, possuímos espírito, alma e corpo. A essência desse princípio, 3 em 1, está na pessoa do Trino Deus: Deus Pai, Deus filho, Deus Espírito Santo. Estudando ciências humanas aprendemos que nosso próprio corpo também está dividido em 3 em 1: cabeça, tronco e membro. Uma forma de melhor entender a complexidade do ser humano e as funções de cada  área. Entender a complexidade, do que sou, seguramente é  o grande desafio da vida cristã. Canalizar de forma proposital e intencional, 3 em 1, em três importantes áreas da vida: Em Mim, Na Minha Família, Na minha Igreja.  Na prática como essa dinâmica funciona?

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

AMOR E PERDÃO - FAZ PARTE DO MESMO PACOTE!

Estamos casados a 41 anos. Uma trajetória que nos ensinou muito sobre a dinâmica do amor e do perdão. Na cerimônia de casamento o celebrante conduz os noivos a declarar amor incondicional um ao outro. Pouco é citado que nesta declaração  de amor incondicional está no pacote o perdão. O amor alimenta o casamento, o perdão zera os negativos que vão acumulando no dia a dia do casamento. Essa dinâmica  é fundamental para todos os tipos e relacionamentos interpessoais. O Cristão ao nascer de novo  faz esse compromisso bíblico  de amar e perdoar.

sábado, 12 de agosto de 2017

PATERNIDADE NO DNA DO DEUS, ABA, PAI!

   ".. Bem – aventurado aquele que teme ao  Senhor e anda nos seus caminhos! Você comerá do fruto do seu trabalho, e será feliz e próspero. Sua mulher será como videira frutífera em sua casa; seus filhos serão como brotos de oliveira ao redor da sua mesa. Assim será abençoado o homem que teme o Senhor “ ( Sl.128: 1-4)
Sou um pai abençoado de três filhos, que já me deram quatro netos. Como pai e avô cristão sinto-me encorajado neste data  especial do dia dos pais, trazer uma palavra a todos os pais cristãos. Por se tratar de  uma data comemorativa, leva-nos a  uma profunda reflexão do nosso papel como homens de Deus, na sublime tarefa de exercer uma paternidade responsável e comprometida com os valores de Deus. A paternidade é uma promessa de bênção para todos os pais que seguirem as seguintes recomendações bíblicas: